EXECUÇÃO

Durante o desenvolvimento dos nossos projetos a equipa de trabalhadores/as segue uma estratégia baseada na divisão de tarefas.

Assim, parte da equipa fica no país de origem, coordenando os diversos fatores que possam surgir durante a intervenção direta do resto de trabalhadores/as, no país de destino.

Ao mesmo tempo são responsáveis pela sensibilização, no país de origem, divulgando informação e organizando atividades sócio-culturais para esse fim.

 

Paralelamente, o resto de profissionais trabalharão na intervenção direta no país de destino, enviando informação sobre o desenvolvimento dos projetos e possíveis necessidades.

Esta intervenção realiza-se em parceria com a organização ou organizações escolhidas nos países empobrecidos, priorizando como destinatários os familiares das pessoas com diversidade funcional, os professores e educadores ou cuidadores destas pessoas, assim como os grupos de pessoas em risco de exclusão com as quais trabalhamos e o seu contexto.

 

O nosso trabalho segue uma linha multiplicadora, ou seja, o objetivo das nossas capacitações e formações é que a informação se multiplique chegando ao máximo de pessoas possível, servindo a mais pessoas, mesmo àquelas que não são as destinatárias principais dos nossos projetos.

  

Trabalhamos de forma colaborativa, exigindo a implicação e ação das pessoas com as quais trabalhamos, ponto crucial para seguir com as nossas intervenções, já que se as pessoas não querem ser participantes activas, ficam fora dos projetos da O.C.A., como explicámos antes não trabalhamos de maneira caritativa, este sistema pode parecer duro, mas permite que não entremos na beneficência, na caridade ou na condescendência.

Trabajo colaborativo